DAVI, MAIS UM NA CONTABILIDADE DA VIOLÊNCIA EM ALAGOAS

Na última segunda-feira, 14 de novembro, de manhã, depois da chegada de Porto Alegre (RS), onde tinha participado do 5º Congresso Nacional de Extensão Universitária, acordei com a ligação de minha filha querendo saber a que horas eu tinha chegado, em Maceió. E, logo depois, perguntou: “Painho, lembra do Davi, aquele que dizia ser David Beckham?” e, imediatamente, disse: “ele foi assassinado”.

Quem era Davi? Sempre brincalhão, dizia ser David Beckham, o jogador famoso – certamente fazia a ligação com a semelhança do nome, mas também se projetava no sonho de ser um astro famoso. Quando o conhecemos, ele tinha uns dez anos. Quando nos encontrávamos, conversava muito, brincava, soltava piadas, falava da vida que levava, da família e do que fazia na escola. Enfim, uma criança como as outras. Com esse seu jeito, conseguia sempre fazer amizades com as pessoas que lhes dava atenção, independente da faixa etária, estava sempre rodeado de pessoas.

O tempo passou, e o Davi cresceu. Tempos depois, quando já tinha cerca de 14 anos, o encontrei pela rua e perguntei  o que estava fazendo e como estava o estudo. Ele disse que parou de estudar porque tinha “aprontado” com a professora. Falei sobre a importância do estudo, e o aconselhei para voltar à escola. Depois disso, desapareceu.

Mas sempre que encontrava alguém que o conhecia, eu perguntava por ele. E nos últimos tempos, as notícias não eram nada agradáveis. As pessoas falavam que tinha passado pela rua com um facão cortando as plantas; outras disseram que tinha sido preso acusado de furto; e outros disseram que estava envolvido com drogas.

A história de Davi se repete a cada final de semana. E os números, ora são 22, 23, 25 assassinatos... Nesse final de semana, Davi foi 19º, segundo dados da imprensa? Não se sabe! Será que foi computado?! O certo é que a alegria do Davi foi apagada no dia 13; e o sonho de ser David Beckham, foi junto. Com se vê, cotidianamente, adolescentes e jovens são assassinados em bairros da periferia ou em municípios pobres do estado de Alagoas.

A galopante violência que invade o estado tem suas raízes fincadas na desigualdade social, na desagregação familiar, no aliciamento de crianças, adolescentes e jovens pela droga, na falta de prevenção e assistência do estado na formação dos jovens, falta de oportunidade na educação e para o lazer.

Entretanto, para alguns, no caso do Davi, ainda se ouve: “é menos um bandido!”. E para esses, a solução está no fim dos direitos humanos. Mas fica a reflexão: o fim do sonho dos Davis é a expressão de uma sociedade desestruturada e que não é capaz de cuidar corretamente de seus problemas sociais.

Nessa sociedade, precisa-se entender que, para os Davis, o futuro não existe. E para aqueles que tiveram a possibilidade de estudar, ter uma casa, uma família, um emprego e lazer? Para estes, cada vez mais estão reféns da violência, vivendo por atrás das grades ou sob a ameaça de a qualquer momento ser assaltado, sequestrado ou assassinado.

Como se vê, é uma sociedade que não interessa a ninguém. E, portanto, faz-se necessário urgentemente que a população tome consciência da estrutura social, econômica e política que tem e se posicione para mudar para que sejam feitas mudanças estruturais.